RESILIÊNCIA

A capacidade para gerir pessoas e situações e superar obstáculos e pressões.

Creio que você já ouviu a palavra “resiliência”. Se ainda não, trato agora de elucidá-la, buscando esclarecer esse termo que entrou em evidência nas últimas décadas, embora seja um conceito antigo, oriundo da física, mas empregado hoje em diversas ciências, inclusive na Administração de Empresas.

Como acontece com muitas expressões, o termo resiliência entrou em voga nos últimos anos, pois todos nós, seres humanos, carecemos dela para gerir nossa vida e sobreviver, embora pouco se falasse sobre resiliência em termos de administração. Assim sendo, resiliência é a capacidade da pessoa lidar com problemas, superar obstáculos, ou resistir a situações adversas, elementos imprescindíveis em se tratando da gestão de pessoas.

E quem é que nunca passou por situações adversas na sua empresa, ou nunca tenha enfrentado obstáculos na vida pessoal ou empresarial? Todos, porém, há alguns obstáculos que parecem intransponíveis, e situações que parecem que não vamos sobreviver a elas, e são nessas situações que surge essa capacidade que transforma aquela pessoa frágil e sem forças numa pessoa forte e corajosa. Aí se se fica a perguntar: onde encontrei força para suportar tudo isso? Como consegui superar esse obstáculo? É a resiliência que se manifestou e fez com que aquilo que parecia impossível se tornasse possível.

A resiliência é, portanto, a capacidade de sobrevivência de todo ser vivo e não penas do ser humano, pois na natureza encontramos presente a tal da resiliência, inclusive entre os animais e plantas. Uma planta quando podada, ou mesmo esmagada, vai buscar nas suas “entranhas” essa capacidade para recompor e superar aquela agressão sofrida. Assim, encontramos a resiliência não apenas no âmbito da psicologia, como é mais evidente, mas também na biologia e seus derivados, e por que não dizer que a encontramos também em outras áreas pouco comuns nos estudos desse fenômeno, como, por exemplo, na física, na química e até na administração. Não se assustem, pois a resiliência faz parte da vida e das ciências que cercam a vida.

A palavra, ou termo resiliência, provém do latim resiliens que significa voltar ao estado normal, isto é, depois de algo ou alguém sofrer uma mutação, emerge uma força natural  que faz com que aquela pessoa, situação, ou mesmo algo da natureza, volte ao seu estado normal, isto é, a sua condição de antes.

Em biologia essa capacidade é muito presente, pois os seres vivos têm essa capacidade inerente a sua condição. Tanto os seres humanos, como dissemos, como os animais, as plantas e todo ecossistema sobrevivem graças a essa capacidade de recuperação de sua condição normal. Quando ocorre um corte no nosso corpo, aos poucos vemos sendo cicatrizado aquele corte, e a pele volta a sua condição de antes, embora fiquem muitas vezes marcas, mas elas são indolores, como se nada tivesse ocorrido.

O mesmo acontece com as plantas. Citamos antes o exemplo das podas. Ao podar uma planta ela dá sinais de sofrimento. Porém, com o passar dos dias ela se recupera e volta a sua condição de antes, soltando galhos, folhas, flores e frutos, até chegar o tempo de uma nova poda, e a repetição deste ciclo não interfere na vida da planta, embora ela pareça de início mutilada. Mesmo quando não é uma poda planejada, a planta muitas vezes se recupera dos cortes. Quando acontecem acidentes ambientais, ou mesmo depredação do meio ambiente, a natureza vai aos poucos se recuperando através desta capacidade de regeneração chamada resiliência. Porém, nem sempre isso se dá com facilidade, ou com brevidade. Dependendo dos estragos leva anos para a natureza se recompor.

Assim, no âmbito da ecologia, a resiliência permite que a natureza recupere o seu equilíbrio depois de ter sofrido agressões, como, por exemplo, poluição, queimadas, secas prolongadas ou grandes enchentes, entre outras situações. Isso não quer dizer que podemos continuar agredindo o meio ambiente, pois a resiliência em termos de ecologia é também uma força que se esgota, e quando isso acontece, não há mais como se recuperar.

Em se tratando do ser humano, integrado neste ecossistema, a resiliência vem em socorro de nossas fraquezas e nos fortalece quando achamos que não temos mais nenhuma força. Assim, em termos de psicologia, a resiliência é a capacidade que temos de lidar com os nossos problemas, vencendo os obstáculos e as pressões que sofremos constantemente, seja qual for à situação. Pressão nos relacionamentos sociais, como, por exemplo, no trabalho, na família, na comunidade e mesmo pressões criadas pela nossa própria cabeça. A resiliência é uma espécie de “anticorpo” contra esses “corpos” estranhos que agridem nossa vida e nos enfraquecem. Há situações em que quase não temos tempo de raciocinar para tomar uma decisão, pois dependendo da reação, ela pode ser fatal. Assim, num ato instintivo tomamos a decisão acertada. Nessa hora, entrou em ação, sem que planejemos, a resiliência. Ela se manifestou junto com o instinto de sobrevivência para salvar a vida. Há casos menos dramáticos, como, por exemplo, quando estamos sob pressão e precisamos tomar uma decisão. Nessas horas vem essa capacidade e faz com que tomemos uma decisão, mesmo sendo pressionados.

Mas, e na física, como funciona a resiliência? Na física talvez seja a área em que seja mais evidente a resiliência. Por exemplo, quando esticamos um elástico ele se amplia, dobrando o seu tamanho. Porém, basta soltá-lo que ele volta a sua condição normal. Porém, se ele for esticado em demasia, além de sua capacidade de se dilatar, ele pode se arrebentar. Esse exemplo ilustra bem a nossa capacidade que, apesar da resiliência, tem um limite. O mesmo processo nós encontramos noutra ciência, a química. A água, no seu estado natural é líquida, mas se for submetida a baixas temperaturas, fica em estado sólido. Porém, basta que a temperatura suba, ela volta ao seu estado normal, líquido. E se essa temperatura continuar subindo, ela poderá mudar novamente de estado, passando para a ebulição que a tornará gasosa. Ou seja, a água, dependendo das condições climáticas pode aquecer ou se resfriar, mudando sua condição. Mas essas mudanças não impedem que ela volte ao seu estado normal quando a temperatura se normalizar. Até mesmo em se tratando de poluição da água com resíduos químicos, ou outros poluentes, ele tem a capacidade de regenerar, graças à resiliência presente na natureza, como vimos anteriormente.

E em termos de administração, como podemos falar de resiliência? Nesta área a resiliência se manifesta vinculada a pessoa, ou seja, na sua capacidade de tomar decisões diante de situações que podem colocar em risco a empresa administrada. Todo bom gestor, ou administrador, há que testar sua capacidade de resiliência, pois se ela estiver bem afinada, isso concorrerá para que ele faça uma boa gestão, conduzindo bem a empresa, mesmo em situações de crise, ou em períodos mais conturbados do mercado financeiro. Assim, o equilíbrio emocional do administrador de empresas fará com que suas decisões sejam mais acertadas, e esse equilíbrio tem estreita relação com a resiliência da pessoa sintonizada com a resiliência do mercado. Quando a resiliência entra em ação na administração, a pessoa tem mais capacidade para tomar medidas que ajudam a minimizar os problemas e, assim, colocar a empresa, ou as ações administrativas, nos seus eixos, ou em condições normais.

Enfim, seja no âmbito biológico, ecológico, físico ou químico, administrativo ou psicológico, a resiliência é uma “ferramenta” que ajuda na sobrevivência e, no caso de pessoas, na tomada de decisão, sobretudo quando deparamos com um contexto onde conflitam a tensão e a vontade de vencer. Nessa hora vem à capacidade de tomar decisões e essas decisões, por mais impensadas que elas sejam, propiciam forças para enfrentar as adversidades e os obstáculos que tencionam nossa capacidade. Desde modo, a resiliência depende de uma combinação de fatores que propiciam as condições para enfrentarmos e superarmos os problemas e as adversidades da vida. Por essa razão trouxemos acima algumas áreas onde se denotam a presença marcante da resiliência. O ser humano, integrado nessas áreas recebe influência delas para confirmar a sua própria resiliência. Assim sendo, a resiliência de uma pessoa depende da interação de sistemas adaptativos complexos, como os supracitados, bem como do meio social em que se vive, como, por exemplo, a comunidade (religiosa ou não), a família, a cultura, o meio em que se vive, entre outros. Tudo isso influencia na resiliência, ou na capacidade de superar os obstáculos.

Faça um comentário